A Milkpoint, uma das principais consultorias do setor leiteiro no país e que realiza desde 2001 um levantamento exclusivo sobre produção brasileira, apresentou ontem (14) o ranking das fazendas Top 100 de 2021. O ranking mapeia a produção das propriedades por volume de leite produzido.

Em 2021, a média diária desse grupo foi de 25.508 litros, 10,63% superior a 2020 e 289,8% maior que no primeiro levantamento realizado.

Entre as curiosidades, o município de Carambeí, no Paraná, permanece como a maior produtora de leite do país, no ranking, tanto em número de produtores como em volume produzido. Com Santa Catarina e Rio Grande do Sul, a região Sul é destaque em produção por animal e por propriedade. A média de leite foi de 9,86 milhões de litros por propriedade/ano e de 36,68 litros por vaca/dia.

O Sudeste se mantém como a região com maior volume produzido, com 488 milhões de litros, e Minas Gerais permanece como o estado com o maior número de propriedades no levantamento, com 40 propriedades.

Conheça as fazendas Top 10. Elas produziram, em média, 62.350 litros de leite por dia, 8,52% superior ao ano anterior. Nesse grupo, 77% das propriedades mantêm seus animais confinados, com quase nenhum acesso a pastagens, número que aumentou em 10% em relação ao ano anterior. Confira:


1 – Fazenda Colorado

Localizada em Araras (SP), a fazenda Colorado segue como maior produtora de leite no ranking, pelo 9º ano consecutivo. A produção média diária foi de 85.465 litros de leite. No ano foram 31,2 milhões de litros. Nos anos 1960, ela foi comprada por Lair Antonio de Souza e hoje está na terceira geração de administradores. Dona da marca Xandô, a Colorado tem um rebanho de cerca de 2.100 vacas holandesas e é uma das fazendas mais tecnológicas do país.

2 – Melkstad Agropecuária

De Carambeí (PR), a Melkstad Agropecuária tem cerca de 2.000 vacas holandesas. Os animais em lactação produzem uma média de 82.026 litros diários, com total de 29,9 milhões de litros de leite no ano. O grupo Melkstad nasceu em 2012. Na época, a propriedade era alugada e no rebanho havia 50 vacas. A ideia inicial era montar um projeto para 400 vacas. Está no grupo da frente, depois de apostar em um modelo de gestão por produtividade, que busca eficiência ambiental e bem-estar animal.

3 – Sekita Agronegócios

A produção média diária da fazenda foi de 71.914 litros de leite no ano passado, com um total para o período de 26,2 milhões de litros. Localizada em São Gotardo (MG), além de leite, a Sekita Agropecuária produz hortifrutis, como cenoura, alho, repolho, entre outros. O rebanho é de cerca de 1.800 vacas em lactação, todas da raça holandesa.

4 – Orostrato Olavo Silva Barbosa

Fazenda Bela Vista é uma das marcas de leite tipo A mais tradicionais na capital paulista, onde a empresa, com sede em Itirapina, interior do estado, produz uma média diária de 70.411 litros. No ano passado, o total foi de  25,7 milhões de litros de leite. A história com o gado leiteiro começou no início dos anos 1960, com grandes investimentos ao longo dos anos. Em 2005 veio o laticínio, que hoje processa o leite, além de iogurtes, creme de leite, manteiga e queijos.

5 – Agrindus – Letti

A fazenda Santa Rita, de Descalvado (SP), é de 1945. Produz atualmente uma média diária de 64.614 litros de leite, com um total, no ano passado, de 23,6 milhões de litros. Propriedade da família Jank, a Agrindus criou a marca Letti em 2007. Por conta da refinada seleção genética, as vacas produzem o leite chamado A2, por conter apenas a proteína beta-caseína A2, a mesma proteína encontrada no leite materno. 

6 – Alberto Frederik Wolters

O criador Alberto Frederik Wolters, dono da Chácara Tina, é um dos nomes da pecuária leiteira mais reconhecidos em Castro, na região paranaense dos Campos Gerais. Sua fama se deve ao trabalho genético em busca de vacas longevas, ou seja, com uma vida reprodutiva mais longa.  No ano passado, a produção média diária foi de 53.544 litros de leite, com um total para o período de 19,5 milhões de litros.

7 – Marcos Epp

A Agropecuária Régia, de Palmeira (PR), foi fundada em 1968. pelos pais do atual produtor rural, Marcos Epp. A fazenda faz parte da Colônia Witmarsum, de origem alemã, a 60 quilômetros de Curitiba, um projeto de rota turística rural para aproximar o campo da cidade. Com um rebanho de cerca de 2.400 animais leiteiros, a produção na Régia foi de 52.681 litros como média diária. Em 2021, a propriedade fechou com um volume total de 19,2 milhões de litros de leite.

8 – Antonio Carlos Pereira, Filhos e Netos

As Fazendas Reunidas ACP (Antonio Carlos Pereira, Filhos e Netos), fica em Carmo do Rio Claro, sul de Minas Gerais. A produção média diária foi de 51.865  litros de leite no ano passado, com um total de 18,9 milhões de litros no período. A aposta é na sustentabilidade do sistema produtivo. A fazenda também atua em piscicultura, café, carne, além de ser dona de uma marca de cachaça, a Coração de Minas. Ela também produz sua própria energia.

9 – José Henrique Pereira

Donos da fazenda Cobiça, José Henrique Pereira e Ana Maria Branquinho Pereira produzem leite desde os anos 1970, no município de Três Corações (MG). A produção média diária foi de 46.151 litros no ano passado, com um total no ano de 16,8 milhões de litros de leite. O rebanho é de cerca de 2.000 animais da raça holandesa.

10 – Maurício Silveira Coelho

A fazenda Santa Luzia, em Passos (MG), que pertence ao médico veterinário Maurício Silveira Coelho, é uma das propriedades de referência na criação de gado leiteiro a pasto com vacas da raça girolando. Ela é resultado do cruzamento de gado holandês com o zebuíno gir. Nessa fazenda, em  2015, foi instalada a primeira ordenha rotativa para esse tipo de animal, no país. A produção média diária no ano passado foi de 44.824 litros de leite, com um total no ano de 16,4 milhões de litros.

informações: MilkPoint/Forbes Brasil       colaboração: Vinicius Machado