Alguns locais de Carambeí possuem histórico de residências improvisadas por andarilhos e moradores de rua, e muitas vezes a rodoviária da cidade é o local escolhido.

Recentemente, a população de Carambeí sente medo após ser observado um aumento no número de pessoas moradoras ou em situação de rua na cidade.

Vários destes moradores em situação de rua buscam se abrigarem em espaços públicos como praças, a passarela da rodovia,  e a rodoviária da cidade.

Pelos grupos de redes sociais, circularam imagens que mostram a situação de como se encontra a rodoviária de Carambeí, localizada na Avenida das Flores. Andarilhos e moradores de rua dormem a noite no local e de dia andam pelas ruas, deixando o lugar bagunçado, como mostra a imagem.

Como alguns deles possuem vício em bebidas alcoólicas, latas de cerveja, garrafas de pinga e embalagens de "Corote" vazias tomam contam do local junto com embalagens plásticas e de isopor (marmitex). Roupas muitas vezes doadas ficam jogadas pelos arredores do ambiente público.

Por medo, moradores, estudantes e trabalhadores que precisam passar pelo lugar para utilizar o transporte público e embarcar para outros municípios e locais da cidade, muitas vezes deixam de utilizar o transporte no lugar, optando por pontos de ônibus instalados na cidade.

Em contato com a secretaria de assistência social do município, a assessoria informou que monitora e o referenciamento feito pela pasta  aponta que "são sete moradores no local, sendo  dois moradores de Carambeí e cinco de outros locais". 

Segundo a secretaria, no caso dos moradores de rua que possuem família em Carambeí, "eles recebem o Auxílio Brasil e possuem residência fixa no município, mas optaram por viver nos locais" e "relataram aos assistentes que a população de Carambeí é muita voluntária e ajuda com dinheiro, alimentação e roupas".

Ações voluntárias e de ajuda aos moradores, como doação de alimentos, roupas, cobertores ou materiais de higiene podem ser feitas na secretaria de assistência social do município. 

Órgãos de assistência social e a Polícia Militar pedem para que a população evite a doação de dinheiro, pois estimula e sustenta o vício dos moradores, que podem ficar agressivos após o consumo.

Segundo a secretaria, eles  permanecem e dormem nos espaços públicos de Carambeí mesmo que seja oferecido assistência para voltar ao lugar de origem.


Carambeí News