A FMC, empresa de ciências para a agricultura, juntamente com a Frísia Cooperativa Agroindustrial, homenageiam neste mês de setembro o agricultor Manoel Henrique Pereira, Nonô Pereira, pioneiro da técnica de plantio direto, nos Campos Gerais, junto com Herbert Bartyz e Franke Dijkstra. Nonô faleceu no dia 8 de setembro de 2015, após lutar contra um câncer.

O agricultor é considerado pela Universidade Estadual Ponta Grossa (UEPG) um dos pilares para a fundação do curso de Agronomia, e incentivador para a implantação da disciplina “Plantio Direto na Palha”, introduzida, em 1984, na grade curricular.


Os pioneiros do plantio direto pregavam a sustentabilidade do sistema produtivo brasileiro e foram também inspiradores do Dr. Fernando Penteado Cardoso na criação da Fundação Agrisus (Agricultura Sustentável).

Nonô Pereira foi três vezes presidente da Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação e, atualmente, era Diretor Honorário Fundador, ao lado de Herbert Bartz e Franke Dijkstra.

Sobre Franke Dijkstra

A família Dijkstra se instalou no interior do Paraná. Ao completar 12 anos, Franke perdeu o pai e foi obrigado a assumir a propriedade junto dos irmãos. Eles decidiram apostar na agricultura. Primeiro, no arroz, e depois no trigo, milho e soja. Naquela época, o tratamento do solo não era uma prioridade. “As pessoas falavam: ‘Depois de três anos de roça, tem que abandonar e deixar a capoeira voltar, porque após mais sete anos, dá para fazer mais duas roças’”, diz.

Com o tempo, foi preciso encontrar uma saída para evitar a degradação do solo causada pelas erosões e recuperar os nutrientes. No início da década de 1970, Franke Dijkstra começou a pesquisar e descobriu uma nova técnica utilizada nos Estados Unidos. Hoje, o plantio direto é considerado a maior revolução da agricultura brasileira e mundial, porém, 40 anos atrás, quando ele começou a plantar na palha, foi chamado de louco pelos vizinhos.

Com informações de Globo RuralCanal Rural e Febrapdp