Um sentimento de gratidão eternizado em um boné. Um item que era usado pelo paranaense Edson Mendes de Oliveira, de 50 anos, quando foi atingido na cabeça por um raio enquanto trabalhava na construção de um muro em Castro, nos Campos Gerais do Paraná.

O caso aconteceu no último dia 11 de janeiro, quando o pedreiro foi levado em estado grave para atendimento.

Agora, com o Edson de volta em casa, a família quer levar o boné até o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, no estado de São Paulo. A ideia é deixá-lo na sala de promessas como uma eterna gratidão pela segunda chance.

"Foi um milagre, uma chance de novo para pensar melhor na vida da gente né. [...] Agora vou cuidar dos meus filhos, unir com meus irmãos tudo. A vida é um sopro", comemorou o pedreiro.

Estado grave

De acordo com os médicos, o raio atingiu a cabeça e desceu para o peito de Edson.

O corpo foi queimado dentro e fora e, diante da gravidade, o pedreiro precisou ser internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Evangélico, em Curitiba, referência no atendimento a queimados.

Segundo ele, o acidente aconteceu quando ele colocava um par de aço na viga.


"Só escutei aquele barulho, foi um estrondo muito forte, daí não vi mais nada. Só vi quando estava na UPA", relembrou.

A mãe dele, Elza do Carmo Prado, contou que quase perdeu a voz por conta do nervosismo quando viu o filho.

Agora, a família também quer que o pedreiro tire um tempo para umas férias e para curtir o retorno para casa.

Fonte: G1